top of page

Brasil Game Show 2019: Cobertura do quinto dia

Quinto e último dia da Brasil Game Show 2019. Antes de mais nada, gostaria de dizer que não consegui um namorado e nossa missão falhou, amigos. Mas tudo bem, vamos ver o que o futuro está guardando para mim.

Hoje teve uma coletiva muito bacana com o CEO da BGS, Marcelo Tavares, e foi ressaltado por todos os presentes aquilo que mais amo: as produções independentes do evento (BGS Jam e Avenida Indie). Outro tópico bem interessante foi sobre as diretrizes da Brasil Game Show, que se mantém firmes em atender os gamers de todo o Brasil. As marcas, mesmo sendo do varejo, levam ao evento não só seus produtos, mas experiências. A maior preocupação é em sempre trazer novidades, deixar o público curtir equipamentos de última geração, jogos que acabaram de ser lançados ou que irão lançar, e permitir que as pessoas tenham acesso a coisas que estão fora de sua rotina, como os arcades e pinballs disponibilizados nesta edição (que, inclusive, tem grandes chances de voltar em 2020) e consoles raros e antigos, como o Atari que estava no estande da SAGA.

As promessas para 2020, segundo o Marcelo, são principalmente em crescer ainda mais. Mais nomes de peso integrando o evento, mais visibilidade para os cosplays, expansão da BGS Jam e área de empresas independentes… De qualquer forma, eu estou muito ansioso para o próximo ano, pois neste já houveram realizações incríveis, como as apresentações da VGO, convidados como Charles Martinet, Yoshinori Ono, John Romero, Al Lowe, Howard Warshaw, e estandes gigantescos das principais empresas (Nintendo, PlayStation, Xbox, Epic Games) e canais que integram a cultura gamer (YouTube, Facebook Gaming, Twitch).



Sobre a BGS Jam, a equipe vencedora recebeu R$ 6.000,00 pelo Banco do Brasil e um mês de estágio na Skullfish Studio, e este ano (que foi o maior na história da BGS Jam) a equipe vencedora foi a Blackhole Studio, com o jogo The Valiant Warrior, que conta com uma arte muito divertida em 2D e nos faz realmente perder a noção do tempo, por ser simples e engraçado.

Já na Avenida Indie, os três primeiros receberiam prêmios. R$ 5.000,00 para o primeiro lugar, R$ 3.000,00 para o segundo e R$ 2.000,00 para o terceiro. O grande vencedor foi RIO – Raised in Oblivion, da First Phoenix, um FPS muito bem trabalhado que se passa no Rio de Janeiro. Vale a pena conferir. O segundo lugar ficou com Eternal Hope, da Double Hit Games, e o terceiro com 171, da Betagames Group.

Foi extremamente divertido e um prazer enorme cobrir o maior evento de games da América Latina. Conversando com a Community Manager da MTG, Annette Escalante, ela disse que o evento era insano e que não tem nada assim no México ou em nenhum lugar que ela tenha visitado, e eu ainda disse “Esse ano tem muita gente dizendo que está fraco, e realmente, quando o brasileiro entra no modo turbo, a coisa fica surreal.” Ela até arregalou os olhos. Se foi a maior ou a melhor Brasil Game Show de toda a história, isso eu não poso dizer. Cada um tem suas próprias impressões e experiências, cada um lembra-se dos eventos por motivos diferentes, dependendo de quem a pessoa conheceu, o que ela vivenciou… Mas posso afirmar que, sim, a equipe se esforçou para fazer um evento incrível e ficou muito bem estruturado, com marcas coerentes, produtos de qualidade e eu, pessoalmente, não vou esquecer tudo que vivi nesses 5 dias.

Esse ano a Brasil Game Show chegou ao fim. E ano que vem, o evento ganhará uma nova edição. Pode ter certeza que estaremos prontos para ela, trazendo para vocês as melhores notícias do maior evento de games da América Latina.



コメント


bottom of page