Entrevista: Doublehit Games, desenvolvedora de Eternal Hope

Um dos jogos brasileiros mais aguardados para 2020, Eternal Hope teve seu trailer revelado no início de outubro e atraiu olhares do público em geral. Com fortes inspirações de Ori and The Blind Forest e Limbo (com um pouquinho de Hollow Knight), o jogo traz a história de Ti’bi, um garoto que deverá viajar entre mundos para salvar e trazer de volta à vida sua amada.

O estúdio Doublehit Games, composto por Angelo Parodi e Henrique Faitta, esteve presente no Brasil Game Show deste ano para divulgar mais o novo jogo. No evento, a desenvolvedora brasileira fez sucesso e ganhou prêmios. A Indiespensáveis conversou com Henrique Faitta sobre o processo de criação do game e os planos para o futuro.


Indiespensáveis: Olá, Henrique. Tudo bem? Começamos a entrevista com uma curiosidade. Como surgiu a ideia de criar o Eternal Hope?

Doublehit Games: Foi meu amigo que teve a ideia do jogo, o Angelo. Daí fizemos uma análise de mercado para saber a viabilidade de um game em 2D. Criamos uma demo e colocamos no YouTube para receber o feedback do público. Deu tudo certo. Já estamos há 2 anos e meio desenvolvendo Eternal Hope.

Indiespensáveis: Em que fase está o desenvolvimento do jogo? Já está perto do lançamento?

Doublehit Games: Já está em uns 70%. Nós montamos uma campanha online para arrecadar fundos. Caso seja um sucesso, vamos lançar em abril, com todos os polimentos do jogo. Se a campanha não render, devemos lançar em janeiro, mas sem ter todos os polimentos, por questões de renda. Falta apenas juntas as fases, testar o game e achar os bugs.

Indiespensáveis: Quais são as suas influências para jogo e como ele vai se desenvolver (em quesitos de história)?

Doublehit Games: Ele é bem inspirado em Limbo e Ori. Nós não tínhamos usado o Hollow Knight como inspiração, mas o pessoal na BGS (Brasil Game Show) comentou sobre a similaridade. É um jogo 2D de aventura e puzzles. A ideia foi criar um estilo artístico nosso, que se diferenciasse dos outros. Nós focamos na história e narrativa, com muitas cutscenes. 

Eternal Hope será dividido em quatro mundos: Floresta dos Espíritos, Florestas dos Trolls, Cidade Perdida e o Templo das Almas, onde o personagem deve levar as almas que coleta durante o jogo. Isso porque Ti’bi fez um pacto com a morte para trazer sua amada de volta. Vocês verão no final, mas sem spoilers!

Indiespensáveis: O jogo será lançado para quais plataformas? Já está definido?

Doublehit Games: Por enquanto é para PC. Conseguimos uma parceria com a XBOX para poder desenvolver o jogo para lá. Não conseguimos para o PlayStation 4 porque é muita burocracia. Para o Switch, é um desejo nosso, mas não chegamos a entrar em contato com a Nintendo ainda. O jogo vai custar 10 doláres (para quem é de fora) e em torno de 15 reais para o Brasil.

Indiespensáveis: E como foi a experiência da marca na BGS? A Doublehit Games ganhou prêmios no evento.

Doublehit Games: Foi muito bom para mostrar o jogo ao público, interagir e receber feedback. O bom da BGS é que tem muita gente lá para fazer entrevista. Fiquei surpreso com a quantidade de pessoas que estavam na Avenida Indie. A gente não conseguia parar um minuto sequer. Ganhamos um prêmio da IGN Brasil, como melhor jogo brasileiro, e ficamos em segundo lugar em uma votação do Banco do Brasil. Valeu muita à pena. Tanto por contato com o público quanto por parceria.

Confira a matéria original.

Fonte: Indiespensaveis (https://indiespensaveis.com/entrevista-eternal-hope/)